quinta-feira, 29 de julho de 2010

CENSURA??? Não!!!

Dias atrás, atendendo convite do apresentador Flávio Pires, concedi entrevista ao canal 15 de televisão, para o programa "Conexão". Apresentado por Flávio, o programa tem como foco especialmente a juventude araguarina.

Flávio pautou a entrevista, divida em dois blocos, da seguinte forma: no primeiro bloco, falamos de cidadania, controle social sobre as ações do poder público (empoderamento social), respeito às leis...

No segundo bloco, Flávio me provocou a falar sobre as eleições que se avizinham e sobre corrupção cometida por agentes políticos.

Discorri sobre esses temas sem dificuldades, criticando, de forma genérica, a má conduta de agentes políticos; porém, sem qualquer tipo de ilação. Lembrei que os picaretas não chegam ao poder sozinhos; eles são eleitos. E que o eleitor, como cidadão/contribuinte, tem o direito e o dever de fiscalizar a correta utilização do dinheiro público, fruto dos impostos que ele (cidadão) paga no cotidiano.

Nesta semana soube que algum (ou alguns) políticos com mandato não gostaram do teor da entrevista; e teriam questionado a direção do canal 15.

Às favas...

Se a carapuça serviu para alguém, eles que se sacudam e se acostumem a prestar contas de seus atos PÚBLICOS ao cidadão. E no espaço que tiver disponível, continuarei alertando a cada cidadão sobre seu papel de CONTRIBUINTE, mantenedor do orçamento público, e sobre a necessidade do efetivo CONTROLE SOCIAL sobre todas as ações da Administração Pública, notadamente sobre os atos de agentes públicos detentores de mandato eletivo. Se assim fosse, e o legislativo também exercesse DE FATO seu papel fiscalizador, não teríamos hospital fechado, desvio de eucaliptos, perseguição a servidores, enriquecimentos inexplicáveis, etc, etc...

Se todo agente político se esforçasse e desse uma lida básica na legislação da administração pública, teriam todos ciência de que o CONTROLE SOCIAL é mecanismo da democracia, revigorada (ao menos no papel) desde 1988, pela Constituição Federal e a legislação subordinada.

Preparo intelectual, serenidade para lidar com a cobrança da sociedade e transparência dos atos, são alguns dos atributos que todo agente político DEVERIA ter...

4 comentários:

EFGoyaz disse...

Esse povo age no espaço que a gente não ocupou (e que é nosso, de direito). Vir dar pitaco em programa de TV? Haja paciência.

Marcos disse...

Parabéns, Edilvo! Sempre vale a pena pregar a moralidade, ainda que aparentemente solitário num deserto.
Sobre a postura daqueles que não gostaram, nenhuma novidade. Os poderosos normamente se incomodam com o controle social.
A propósito, vale lembrar que o Canal 15, salvo engano, recebe generosos recursos de publicidade governamental. Talvez por isso, os donos do poder tenham pensado que poderiam calar certos pensamentos.
Não desista!

Edilvo Mota disse...

Pois é, Glaucio

A minha intenção, ao participar e incentivar a formalização do grupo Ventania, era justamente esta.

Que nós, da sociedade, ocupássemos o nosso espaço de direito: para acompanhamento e controle da coisa pública, para a proposição de projetos de interesse coletivo, para o fomento ao debate franco, plural e objetivo, sem abrir mão do respeito ao contraditório.

Ainda há tempo para que as novas gerações se toquem e não continuem deixando seus interesses (coletivos) na mão de uma dúzia de gente, que ocupa cargos públicos sem visão do interesse social e, às vezes, alçando essa condição por meios escusos.

Edilvo Mota disse...

Marcos, obrigado...

continuarem externando minha opinião sobre assuntos que são de interesse e domínio público.

Não me ocupo em fazer ilações a ninguém; mas também não me preocupo com as opiniões que divirjam da minha.

A sociedade brasileira está pagando um preço altíssimo por sua alienação e pela omissão. E não será com cartinhas anônimas, com agressões ou menções a fatos (ou boatos) sobre a vida privada dos agentes públicos, que iremos obrigá-los a cumprir o que determina a lei: TRANSPARÊNCIA e respeito com o tesouro público.