terça-feira, 21 de dezembro de 2010

NATAL E HIPOCRISIA


(Artigo publicado em minha coluna semanal "Painel", no jornal "Diário de Araguari", edição de 21.12.2010)
Acaso recebas qualquer tipo de mensagem (cartão, email, carta, telefonema, tapinha nas costas) de político, desejando-te Feliz Natal, Boas Festas, Próspero Ano Novo, com muita saúde em 2011, etc, etc, etc... desconfia.

Não pode te desejar um Natal feliz quem, no apagar das luzes, de sorrelfa, aprovou ou permaneceu silente ante a vergonhosa farra com o dinheiro público, feita pelo Congresso Nacional ao conceder a si próprio um imoral aumento salarial de 62%, com reflexos imediatos nos demais setores públicos, para patamares acima, até, de 100%.

Numa economia onde o setor privado se esfola, no esforço diário de cada empresário, trabalhador, profissional liberal, para manter mínimos padrões de competitividade e sobrevivência, administrando custos, reduzindo margens, negociando palmo a palmo cada percentual de descontos, é inadmissível a desfaçatez de quem vem se descuidando das tarefas básicas, no falta de provimento de políticas públicas e na falta de fiscalização do uso do dinheiro do contribuinte.

Prosperidade garantida para 2011, somente para aqueles que não precisam se preocupar com a origem do dinheiro que recebem e que têm ao seu dispor uma fonte inesgotável de recursos: o caixa de entrada dos impostos extraídos do setor produtivo, de quem realmente trabalha.

Saúde em 2011? Desconfia também.

O Congresso Nacional mantém em banho maria o Projeto de Lei 01/2003, que visa à regulamentação da Emenda Constitucional 29/2000. Aquela emenda institui percentuais mínimos obrigatórios de investimentos em saúde, para a União, Estados e Municípios. Sem regulamentação (via PLC 01/2003) não pode ser aplicada a emenda. Enquanto isso, o Sistema Único de Saúde capenga, deixando de cumprir sua tarefa de atenção universal e integral à saúde de todos nós. São, portanto, 10 anos de omissão e descaso com a saúde do povo brasileiro. Para compensar, tu gastas da própria renda, para comprar serviços de saúde que deveriam (por lei) ser garantidos pelo governo, que tu mesmo manténs através dos impostos. Com limitação, claro, para abatimento na declaração de imposto de renda.

Portanto, da próxima vez que ficares tentado a bajular algum político, lembra do quanto te custa manter esse enorme elefante branco e a ineficiente máquina da administração pública, contaminada por gente que se esmera apenas em cuidar dos próprios interesses (políticos e patrimoniais).

O caso recente do assassinato do prefeito de Jandira-SP revelou, em gravações telefônicas mantidas entre dois vereadores, a cara do setor político nacional. Dizia um vereador ao outro “Arruma o seu lado; larga o povo pra lá; esquece esse negócio de povo; cuida do seu...”. Qualquer semelhança não será mera coincidência...

É isso aí. Então, Feliz Natal !

2 comentários:

Marcos disse...

Todos nós deveriamos ganhar no Natal um puxão de orelhas. Isso mesmo!
Precisamos desse presente para ficarmos acordados durante os 365 dias do ano. Isso para que tenhamos consciência do que os nossos políticos estão aprontando com o dinheiro público.
Parabéns e obrigado pelo puxão de orelhas!

Aristeu disse...

Edilvo, eu recebi um cartão de felicitações de um deputado federal em conjunto com um vereador local. Pode deixar que vou responder mandando-os pra aquele lugar!