sábado, 4 de setembro de 2010

TENHO VERGONHA DO MEU PAÍS

(artigo publicado em minha coluna semanal "Painel", no jornal Diário de Araguari, em 31.08.2010)

“Dormia a nossa pátria mãe tão distraída
sem perceber que era subtraída
em tenebrosas transações”
(Vai Passar, composição de Chico Buarque de Hollanda e Francis Hime/1976)

Do que é feita, afinal, uma nação, senão da soma de idéias, ideais e ações de cada um de seus habitantes?

Se assim é, o que dizer então da avalanche de notícias escabrosas que brotam como dejetos pelo esgoto, expondo as vísceras podres de sucessivos escândalos perpetrados por agentes públicos; que deveriam, em tese, zelar do patrimônio de todos?

O Brasil foi tomado de assalto, em todos os rincões, por gente da pior espécie que vê no exercício de cargos eletivos uma oportunidade ímpar de fazer sua independência financeira. Ainda que de forma ilegal.

O sistema, frouxo, relapso e pachorrento, ajuda. Partidos políticos acolhem filiados sem qualquer critério seletivo. Assim, misturam gente decente com indecente. E quem não tem escrúpulos utiliza qualquer tipo de expediente para se infiltrar e conseguir espaço; por exemplo, o puxa-saquismo, a babação de ovo e a subserviência.

Políticas públicas, projetos estruturais e planejamento estratégico são questões sempre relevadas em nome de um objetivo maior: a conquista do poder. O poder pelo poder. E basta.

Conquistado o poder, distribuem-se cargos aos “companheiros de primeira hora”, em sua maioria gente sem preparo técnico ou moral para os cargos. E a estrutura funcional efetiva fica submetida a caprichos, humores e desacertos dos “amigos do rei”, que tudo podem e a ninguém prestam contas.

A sociedade se recolhe e se sujeita ao eterno papel de coadjuvante, abrindo mão do exercício do protagonismo. Então, sem fiscalização, todo tipo de ação delituosa pode ser levada a cabo, na certeza do silêncio e da impunidade.

Utilizam como contraponto a demagogia, o clientelismo e o fisiologismo. Uma forma barata e eficaz de calar uma população em geral despreparada e desinteressada pelo mister da coisa pública.

Até quando a nação brasileira continuará dormindo em berço esplêndido e se sujeitando a essa forma de estupro consentido?

Boa semana e bom exame de consciência a todos.

edilvomota@hotmail.com
http://saudenatela.blogspot.com

12 comentários:

Aristeu disse...

Edilvo, tudo bem dito, tudo verdade, mas não fiquemos descrentes. Enquanto houverem ladrões é porque temos bens, enquanto houverem assassinos é porque temos vida, enquanto houverem corruptos é porque temos riquezas e enquanto houverem eleições é porque ainda temos a capacidade do poder de mudanças em nossas mãos. Numa outra linha de pensamento pode ser esta terra destinada ao fim como Sodoma e Gomorra e pessoas como você é que destoam do restante. Esta Terra não te pertence e um outro Abraão poderá te resgatar. Não se esqueça: Me leve junto nem que seja pra virar uma estátua de sal.

Aloisio Nunes de Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edilvo Mota disse...

Caro Aloisio.

Pelo seu nível de inteligência, de se estranhar a referência a "meu" prefeito. Marcos Alvim foi, por 8 anos, prefeito do município de Araguari; então, prefeito "de todos" os araguarinos.

Talvez eu tenha sido o único cidadão a opinar contrariamente à construção do hospital, manifestando essa opinião ao então vice-prefeito Marlos Fernandes, em 2001.

Seguindo a sua linha de raciocínio, o que dizer então do "seu" vice-prefeito e candidato a deputado estadual Júberson dos Santos Melo, à época vereador e líder do governo Marcos Alvim, que, juntamente com os demais 16 vereadores, se omitiu e não exerceu o papel de fiscal, evitando que ocorressem as fraudes na obra (somente relatadas mais recentemente)?

Como secretário municipal de saúde, sempre tive a clara percepção de que estava a serviço do município e não do prefeito ou do governo. Não tenho motivos pra me envergonhar de nenhum ato meu como agente público (nem por ação, nem por omissão). Talvez, exatamente por isso eu fosse tratado como uma espécie de ovelha negra na equipe da administração municipal.

Entretanto, refuto qualquer ilação de conivência ou aprovação a eventuais irregularidades ou ilegalidades cometida pelo ex-prefeito ou membros do governo anterior. Se houve dolo, fraude, enfim, qualquer tipo de ação contra o patrimônio público e ao erário, que sejam TODOS punidos exemplarmente, na forma da lei.

Quanto ao hospital municipal, registro aqui como ex-gestor da saúde em Araguari, que no período de janeiro/2005 a março/2008 a instituição não funcionou como hospital um dia sequer. Qualquer afirmativa em sentido contrário é falsa e deveria ser apurada pelo Ministério Público.

Minhas saudações e levo em conta, no seu comentário, o fato de você hoje ocupar cargo de confiança no governo municipal, o que, sem dúvida, empana ao menos parcialmente sua isenção em assuntos que envolvam questões político-administrativas.

Forte abraço.

Edilvo Mota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos disse...

De fato, Edilvo, alguns brasileiros nos envergonham mesmo. Pena que, entre os nossos mandatários, existam muitos deles. Por isso, estamos pagando um preço caro demais por escolhermos mal as pessoas que vão gerir a coisa pública em nosso nome.
Como a questão descambou para o tema candente do Hospital Municipal, permito-me alguns pitacos.
Creio que o comentário do Aloísio não foi maldoso. Veja que a palavra "seu" está entre aspas.
Acho que ambos (Aloísio e Edilvo) concordam que, bem ou mal, o senhor Marcos Alvim, foi prefeito da cidade de Araguari e que quem errou, em suma, foi o município, que jogou fora o dinheiro que alimentou o elefante branco.
Quando me refiro a município, falo de todos nós. Prefeito, secretários, vereadores, cidadãos comuns. Todos temos culpa nessa história.
Por isso, está na hora de cada qual assumir sua responsabilidade e tentar reverter esse quadro. Os atuais administradores deveriam ter adotado, desde o início, uma postura rigorosa quanto à irregularidades praticadas no governo anterior, instaurando processos para apurar responsáveis, punir a empresa contratada e, principalmente, deveriam trabalhar para colocar o hospital em funcionamento. Os vereadores da época, inclusive o atual vice e candidato, deveriam assumir sua culpa por omissão no dever de fiscalização inerente aos seus mandatos. Os cidadãos deveriam, como o Edilvo vem fazendo, vir a público questionar o porquê de ainda não termos um hospital público se o nosso dinheiro já foi gasto. O ex-prefeito deveria assumir suas responsabilidades, reconhecer que errou e não vir tentando tapar o sol com a peneira.
Sinceramente, essa história irá se desenrolar lentamente. Os processos judiciais instaurados contra o ex-prefeito, a exemplo daqueles outros em que se procura reparar o prejuízo causado pelos vereadores gatunos na década de 90, irão se arrastar sem condenações definitivas e sem reparação dos danos. Daqui a 10 anos, ainda estaremos falando desse tema sem solução. Tomara que a Lei da Ficha Limpa pegue e efetivamente afaste algumas dessas pessoas da gestão pública.
Inté!

Aloisio Nunes de Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 5 de setembro de 2010.

Cavalheiros,

Enquanto isso, o MEU, o TEU, o SEU, o NOSSO problema pulveriza-se região afora, pois as VOSSAS EXCELÊNCIAS, digo, NOSSAS EXCELÊNCIAS absolutamente NADA constataram de irregular em tempo hábil para inviabilizar o que aí está se concretizando, IMPUNE, e de vento em popa...

Com pesar, as próximas vítimas, ou como prefere o Ilustre Araguarino, "PARCEIROS":

Fonte:
http://www.marcosalvim.blogspot.com/

(...)
Um país onde as leis são descartáveis
Por ausência de códigos corretos
Com quarenta milhões de analfabetos
E maior multidão de miseráveis
Um país onde os homens confiáveis
Não têm voz, não têm vez, nem diretriz
*********************************
Mas corruptos têm voz e vez e bis
E o respaldo de estímulo incomum
*********************************
Pode ser o país de qualquer um
Mas não é com certeza o meu país
(...)
Fonte, Zé Ramalho:
http://www.youtube.com/watch?v=23njG4p7i7E

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Edilvo Mota disse...

Grande Aloisio,

minha capacidade cognitiva é infinitamente inferior à sua; então, dê o desconto a esse pobre escriba/leitor aqui.
Não fiquei nem um pouco ofendido, afinal não tenho qualquer tipo de relação com o ex-prefeito e também não contribui para qualquer tipo de ilícito que algum "larápio" possa eventualmente ter cometido em detrimento do erário. Apenas não assumo, sequer entre aspas, nenhuma menção de pertencimento a ações relacionadas a roubo ou mentiras.
Mas esse jogo das "políticas" funciona assim mesmo; e isso, até os menos inteligentes como eu conseguem entender.
De qualquer forma, sobre meu "testemunho" (haja aspas pra nós, hein?) apenas corrobora, mantendo minha tradição de coerência, depoimentos meus à imprensa em 2009 (rádios e jornais, estes após Control+C, Control V do seu próprio blog, se não me falha a memória). "Testemunho" aliás até dispensável, haja vista a flagrante inoperância do hospital desde sua primeira inauguração, em 2003 salvo engano.
Quanto ao tal panfleto, ainda não vi. Nem tenho pressa para ver. Quem sabe o Ministério Público...
Agora, não tenho dúvidas de que se o ex-prefeito lograr êxito na eleição para deputado estadual, muitos dos que hoje jogam pedra formarão a fila do beija-mãos e esquecerão o que disseram ou escreveram. Com certeza não seria o seu caso, mas de muitos outros por aí que mudam de lado com folha ao sabor do vento. Da mesma forma, numa eventual nova eleição para prefeito, veremos a marola dos camaleões novamente vertendo rumo ao poder (como sempre). Numa ou noutra situação (citadas apenas como hipóteses) meu raquítico, solitário e desqualificado voto não haverá de fazer parte da soma.

Uma grande semana para todos nós.

Edilvo Mota disse...

Alô..isio (diria Aristeu)

se a idéia era divulgar a notícia (panfletos, mentiras) meu blog é o menos indicado de todos. Tenho um rol diminuto (embora qualificado) de leitores.

Aguardo a notícia no Portal de Araguari para deleite de suas dezenas de seguidores. Continuarei visitando-o, diariamente.

Aristeu disse...

ASPAS OU RASPAS?

Das cenas de minha infância que mais causavam-me constrangimento eram as brigas de meu pai e minha mãe. Lógico que certamente meu pai era o errado, mas eu ficava ali sem ter pra quem torcer e o que importava era que a peleja terminasse logo. Dois amigos aparentemente se enfrentando, através de comentários supostamente opostos, também me deixam constrangido. Constrangido porque eu conheço os dois. Cada qual mais bem assentado sobre a ética que o outro. Um no jornalismo é o esplendor de uma vida enquanto o outro a dissecar a gestão da saúde é imbatível. Ambos são apaixonados pelo que fazem, o que os tornam diferentes de tantos mortais. Nem sei o que atraiu um para administrar a Saúde Araguarina, pois o mesmo atuou independente, o que trouxe-lhe danos políticos, talvez irremediáveis. O outro serve a um governo atual e, dentro dos seus limites, faz o melhor. Se minha mãe fosse dona de um bordel a minha dignidade ainda continuaria incólume independente do performance da mesma com seus múltiplos amantes e, apesar isso, sempre a defenderia.
Vamos ao round seguinte...

Edilvo Mota disse...

Aristeu, você como sempre insuperável.
Da minha parte não há qualquer enfrentamento. Apenas entendo que, se o Aloísio considera Marcos Alvim "larápio" e "mentiroso" mandou o recado à pessoa errada. Eu nada tenho a ver com eventuais falcatruas e, se preciso for provarei isso a quem de direito, com farta documentação; como já fiz recentemente ao Tribunal de Contas do Estado de MG. Nunca me omiti e sempre questionei via OFÍCIO tudo aquilo com o que discordava. E cuidei de me resguardar, justamente para não ver meu nome envolvido com eventuais erros ou fraudes.

Tenho o Aloísio em grande conta; e assim continuará sendo.

Tanto que, apesar dos inúmeros relatos que ouça nas ruas sobre erros e supostas "falcatruas" cometidas pelo governo atual, ao qual ele serve, jamais me arvorei em lhe mandar "notícias" ou "recados"; justamente em respeito ao amigo e para evitar qualquer tipo de constrangimento.

O que tem o Aloísio a ver com roubo de eucaliptos, com seguidas incompetências (no plural) na gestão da saúde, com inoperância do conselho municipal de saúde, com despreparo de secretários municipais em audiências na câmara municipal, com falta de diálogo do seu chefe com os agentes culturais da cidade, etc, etc?

Agora... o que tenho eu a ver com Polícia Federal no encalço de ex-prefeito? O que tenho eu a ver com panfletos políticos e com mentiras?

Ora, faça-me o favor...

Anderson Cruz disse...

Meu país realmente me causa vergonha. Tenho de concordar com você. Não temos saúde, educação, segurança etc. Passei um dia de acompanhante no Hospital Souza Aguiar no Centro do Rio e confesso que fiquei horrorizado com que vi, ouvi e vivencei lá. Coloque no meu blog www.servolider.blogspot.com UM TEXTO falando sobre isso. "RIO DE JANEIRO: A CIDADE DESUMANA"