domingo, 10 de outubro de 2010

Crise (mais uma) na Saúde Pública de Araguari



Seria cômico, se não fosse trágico: secretária municipal de saúde convoca imprensa para informar sobre a situação da dengue e antecipar...


Estamos nessa campanha de informação a todos os moradores do município, pois é iminente que haja epidemia e óbitos por conta da dengue".


http://www.gazetadotriangulo.com.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=13541&Itemid=29


O dever da autoridade sanitária, em todos os níveis, é agir sempre com extrema cautela. Cabe ao gestor do SUS, além de coordenar e monitorar as ações preventivas, evitar atos sensacionalistas, sobretudo aqueles que possam gerar pânico na população.

Anunciar epidemia e óbitos por antecedência nos parece uma forma de, a exemplo de Pilatos, lavar as mãos ante a incapacidade de gerir um sistema complexo em sua estrutura e difícil de comandar, especialmente em razão da ingerência de políticos. Cabe (no caso caberia) à autoridade sanitária cuidar para que as atividades do Sistema Único de Saúde não sofram interferências de estranhos ao meio.

Justamente pela gravidade e a importância do setor, o comando da Saúde Pública não deveria ser loteado em negociações de campanha política, tornando o gestor de plantão "afilhado" do político verdadeiro "dono" do setor.

O pano de fundo da questão (dengue) é a crise institucional, configurada no cabo de guerra entre direção(?) da secretaria de saúde e supervisores da dengue. Todos os 12 supervisores foram destituídos do cargo, logo após a eleição de 03 de outubro. A partir da próxima 4ª feira, logo após mais um feriadão prolongado (menos para o mosquito da dengue) o setor (Controle de Dengue) poderá estar sem supervisores de equipes.

Os supervisores (alguns com 20 anos de experiência no combate à dengue) alegam perseguição, constrangimento e ingerência política no setor, com inserção de profissionais (não concursados) sem experiência. E prometem recorrer ao Poder Judiciário contra a exoneração, segundo eles imotivada.


Lamentável.
Depois reclamam quando nossa cidade é motivo de piada lá fora...

2 comentários:

Aristeu disse...

Se estamos entregues às moscas então devemos morrer por elas...

Marcos disse...

O jeitinho brasileiro de fazer "política" atrapalha tudo. É aquela história de colocar vários jabutis em cima da árvore. Um bando de aspone, que, além de não trabalhar, atrapalha quem está a fim de fazer algo.
Quando algo vai mal na prestação de serviços públicos, tenha certeza de que há corrupção, apadrinhamento e coisas do gênero.
No caso, a eminente Secretária, ao reconhecer a iminente epidemia, assinou o próprio atestado de incompetência. Pior: conseguiu alarmar parte da população. Não é essa a sua função pública.
Como Araguari insiste em ser motivo de piada ou de tragédias, temos ainda essa história contada pelo Edilvo, de desmantelamento das equipes de trabalho. É o fim da picada...