sábado, 16 de outubro de 2010

Truculência faz mal à Saúde Pública

Na manhã deste sábado (16/10/2010) meu filho atendeu ligação telefônica.

Uma voz feminina, se identificando com "Sandra da Dengue" me mandou recado, dizendo que ando falando sobre problemas no Controle da Dengue e que isto pode me "causar problemas."

Como não conheço nenhuma "Sandra da Dengue" é óbvio que se trata de algum pau mandado do governo.

Ao que parece, o estilo truculento, medieval e autoritário do binômio PMDB/PT que no nível federal tenta na base da intimidação e da censura coibir o livre direito de expressão (vide censura ao jornal "O Estado de São Paulo"), também contaminou o governo local.

É lamentável a falta de tato, de bom senso e de desprendimento para lidar com a função pública e a espinhosa tarefa de lidar com o contraditório. Notadamente quando a opinião pública comenta fatos, sem fazer juízo de pessoas.

Nem "Sandra da Dengue, nem secretária de saúde, nem governo municipal devem perder tempo tentando me intimidar.

Devem todos, isto sim, se ocupar de redobrar esforços e competências para exercer com dignidade e eficiência as tarefas que a gestão da coisa pública lhes impõe e que foram delegadas pelo povo, através do voto.

E, cumprindo os preceitos da lei, todo governo deve, sim, satisfação a nós cidadãos/contribuintes que financiamos a administração pública através dos impostos que nos são cobrados diariamente. Mandato eletivo não é cheque em branco e a coisa pública não é domínio de meia dúzia (nem em modelos novos nem nos velhos).

De mais a mais, continuarei exercendo meu direito de expressão; respondendo, inclusive judicialmente, pelo que escrevo ou falo.

2 comentários:

Aristeu disse...

Edilvo,

Aqui é o Aristeu Borra de Medo e aconselho você a ficar de bico calado. Deixe o povo se lascar. Zele da sua saúde própria. Este pessoal corrupto e ladrão não tem escrúpulo algum. Você é meu herói vivo. Não morra por esta causa local. Vá atormentar a Saúde de Uberlândia e quiçá a de Brasília.

Marcos disse...

Eu sou irmão do Aristeu. Antônio Marcos Borra de Medo. É uma família grande, da época em que o governo não ajudava no planejamento familiar.
Bem, o Edilvo está quase 100% correto na sua análise. Apenas discordo da analogia feita com o governo federal PT/PMDB. Parece-me que a censura ao jornal ocorreu por força de decisão judicial. Isso é normal num estado democrático de direito. Nem mesmo a imprensa está acima das leis. Aliás, o Estadão é um caso à parte (ainda postarei o editorial em que o jornal assume claramente sua posição a favor do candidato Serra).
No mais, borrado de medo, assino embaixo o seu protesto, caro Edilvo. Precisamos de mais pessoas assim, destemidas. Essa sua atuação aumenta o perigo para os maus gestores, na medida em que você conhece, como poucos, o assunto Saúde Pública.
Ah, se essa Sandra da Dengue ligar de novo, diga para ela que eu também estou ao lado do Dom Quixote Edilvo. Enquanto não ver assegurado a todos o direito essencial à saúde, eu não vou sossegar.