terça-feira, 19 de outubro de 2010

Relatório da CGU aponta desvios de R$ 125 milhões em Dourados

(Do site Aquidauananews.com)
Terça-feira, dia 19 de Outubro de 2010 às 07:40hs

Os desvios de recursos públicos na Prefeitura de Dourados chegariam a R$ 25 milhões, de acordo com relatório da Controladoria Geral da União (CGU) anexado ao inquérito da Polícia Federal na Operação Uragano.

Pelos cálculos da CGU, o prefeito afastado Ari Artuzi teria desviado o dinheiro em 53 contratos firmados pelo município. Os contratos somam recursos de R$ 135 milhões.
Deste total, 36 apresentaram irregularidades, com R$ 25 milhões desviados da finalidade, sendo R$ 20 milhões com superfaturamento nas licitações para compra de remédios, materiais para atendimento à população em hospitais e postos de saúde, operação tapa-buraco e pavimentação asfáltica.
Segundo a Polícia Federal, foram examinados contratos de janeiro de 2009 a agosto de 2010, período em que Artuzi ficou à frente da prefeitura de Dourados. Os documentos reforçam as provas coletadas pela Polícia Federal na Operação Uragano. .

3 comentários:

Marcos disse...

Caro Edilvo, você postou uma notícia que eu queria ter postado no Observatório.
Esse tipo de situação é bastante comum. Infelizmente, a Controladoria-Geral da União não tem condições de fiscalizar todos os municípios. Contudo, é bom lembrar que, se alguns gestores fossem minimamente honestos, não seriam necessárias essas fiscalizações.
Com isso, chamo atenção para um ponto. Todos nós culpamos a União por não gastar o suficiente na área de Saúde. Contudo, nos esquecemos de que boa parte desses recursos se perdem pelo caminho. Aqui, é importante lembrar que a corrupção não é culpa da União, mas sim de agentes públicos dos milhares de municípios.
Este é um caso a pensar. Há eficiência na gestão dos recursos públicos? Quem são os culpados? É justo imputar culpa somente à União?
Agora, parabéns pela postagem! Esse mal ocorre em quase todos os municípios. Em Araguari, não é diferente. Por enquanto, digamos, que o Novo Modelo de Administração está "dando sorte" de não ter baixado aí uma auditoria. Contudo, cabe um aviso: se continuarem o péssimo serviço e as reclamações, será inevitável a atuação da Controladoria-Geral da União, provavelmente mediante provocação de cidadãos descontentes.
Fiz uma salada no comentário, mas tenho certeza de que serei perdoado pelo moderador.

Edilvo Mota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edilvo Mota disse...

Marcos, é fato que os desvios ocorrem, principalmente em esquemas de licitação.

A par disso, o orçamento do ministério da saúde esta muito defasado. A insuficiência orcamentária impede investimentos em infraestrutura física e equipamentos, gerando a continuada e excessiva dependência do poder publico em relação aos serviços privados, além de inibir também melhor remuneração aos servidores.

Quanto à corrupção, seria em boa parte evitada, SE as câmaras municipais exercessem, de fato, sua atribuição de fiscalização. Por exemplo, acompanhando os processos licitatórios e a execução dos contratos.

Vide caso Hospital Municipal de Araguari.

Pelo visto, é mais fácil esperar que a vaca voe; ou tussa.